Obras serão concluídas em até 8 meses e as regiões contempladas são Brazlândia, Paranoá, Gama, Ceilândia, Vicente Pires, Riacho Fundo II e Planaltina – 

O IGESDF assinou, hoje (17), contratos com três empresas que serão responsáveis pela construção de sete Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) nas regiões de Brazlândia, Paranoá, Gama, Ceilândia, Vicente Pires, Riacho Fundo II e Planaltina, ao longos dos próximos meses deste ano, no valor total de R$ 28,1 milhões.

Os contratos foram assinados, pela manhã, entre as empresas e o diretor-presidente do instituto, Francisco Araújo, na presença do governador Ibaneis Rocha e do presidente da Câmara Legislativa do DF, Rafael Prudente.

“Não podemos parar. Vamos tocar essas obras logo para desafogar os serviços de saúde em pontos estratégicos importantes”, determinou o governador Ibaneis Rocha, que assinou os contratos como testemunha.

Segundo Francisco Araújo, “as novas UPAs serão de fundamental importância para a reestruturação e ampliação da rede de saúde do Distrito Federal”. Ele lembrou que todas elas vão atender a uma demanda territorial que não conta atualmente com um equipamento desse porte. “Estamos dando a resposta que a sociedade necessita e não pode mais esperar; a determinação do governador Ibaneis está sendo cumprida e todas elas estarão atendendo à população até o final deste ano de 2020.”

O presidente da Câmara Legislativa, Rafael Prudente, fez questão de destacar a importância da participação dos deputados no processo de ampliação do instituto, incluindo as UPAs e o Hospital de Santa Maria, também na autorização para construção de sete novas unidades. “A gente fica feliz de ver o início, agora, da construção de sete novas UPAs, que vão beneficiar a população na área de saúde, que é um dos maiores gargalos aqui do Distrito Federal”, concluiu.

Todas as Unidades de Pronto Atendimento serão construídas no prazo de até oito meses. Além do valor da obra, o IGESDF vai aplicar recursos da ordem de R$ 7 milhões em equipamentos médico-hospitalares nas sete unidades, num total de mais R$ 35 milhões em investimentos.

Todas são de Porte I, Opção 3, com área de 1.200 m² e capacidade de atendimento de 4.500 pessoas por mês, totalizando aproximadamente 31.500 pessoas nas sete unidades. São mais 42 leitos de observação, 14 de emergência e 7 isolamentos. Cada UPA contará com 2 a 3 médicos durante o dia e à noite, totalizando cinco médicos/dia.

 

Texto: Ascom/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/IGESDF