A Coordenação Regional de Ensino de Brazlândia aproveitou o recesso forçado das aulas e fez um pente-fino em suas 31 escolas. Ao final do levantamento, determinou uma nova rodada de reformas, que já contempla 12 unidades. “Fizemos uma intervenção preventiva. Fomos nas escolas e nos antecipamos, melhorando agora aquilo que precisaríamos trocar futuramente”, disse o coordenador regional, Humberto José Lopes.

As novas obras ocorrem justamente três meses após o primeiro conjunto de escolas reformadas. Em fevereiro, os reparos aconteceram em 15 das 31 unidades de ensino de Brazlândia. Na ocasião, foram feitos serviços considerados emergenciais, como: pintura de salas de aula, de pátios e de fachada, troca e reparo de telhado, reforma de quadra poliesportiva e instalação de subestação de energia, além de mudança na rede elétrica e ampliação de salas.

O Centro Educacional Incra 8 (CED Incra 8) foi uma das escolas que passaram por reparos no início do ano e  também estão incluídas nesta segunda rodada. A Coordenação Regional decidiu direcionar a verba para substituir alguns equipamentos antigos, as 202 poltronas do auditório foram trocadas por acolchoadas. Ali são realizadas apresentações de teatro, trabalhos escolares e reunião de pais e mestres. O carpete também é novo.

A quadra poliesportiva, que já havia recebido um piso novinho em folha na reforma anterior, agora recebeu a instalação de uma rede de 900m², que impede a entrada de pombos. Os animais usavam a parte interna do telhado como abrigo. “Pela manhã, tínhamos de lavar o piso porque estava todo sujo de fezes”, lembra a diretora, Solange da Cunha Pereira.

 Fotos Paulo H. Carvalho
A quadra recebeu a cobertura de tela para evitar a entrada de pombos no local. Fotos Paulo H. Carvalho

Foram investidos cerca de R$ 140 mil  na troca das cadeiras, do carpete e na instalação da tela. Os recursos vieram de emenda parlamentar, do deputado Iolando Almeida (PSC) e do Programa de Descentralização Financeira e Orçamentária (PDAF). Na reforma anterior, a escola ganhou ar condicionado (instalados em todas as salas, inclusive na biblioteca e no auditório). Com tamanha carga, foi preciso instalar um gerador para alimentar a rede elétrica do colégio e evitar a alternância de funcionamento do equipamento. Para não sobrecarregar a rede, a direção estabeleceu o ligamento do ar em períodos distintos para as salas ímpares e pares. E a diretora não ainda pretende mais: já sonha com o terceiro ciclo de investimentos: “Fazer uma grande agrofloresta para a gente plantar nosso alimento”, sonha Solange.

Outra escola que também recebeu recursos para reforma foi a Escola Classe 1, construída em 1964, a estrutura recebeu um estacionamento interno para os professores que antes deixavam os carros do lado fora e na terra, a cozinha foi reformada,o piso e as paredes receberam revestimento de cerâmica, a coordenação recebeu móveis novos e um espaço de convivência foi montado para os servidores, também foi revitalizado o refeitório para os funcionários terceirizados. “Era feio. Chovia mais dentro que fora. Agora está maravilhoso aqui”, elogia a auxiliar de serviços gerais, Marizete Lucas de Almeida.

Fotos: Paulo H. Carvalho
A cozinha recebeu cobertura de cerâmica no piso e nas paredes. Fotos: Paulo H. Carvalho

De acordo com a Coordenação Regional de Ensino outras quatro escolas receberam indicação de recursos de emendas: Centro de Ensino médio 2, Centro de educação Infantil 1, Escola Classe 3 e o Centro Educacional 2.

Fonte: Agência Brasília